16/04/18 17:06

CEE/Caixa reforça posicionamento contra venda de parte das Loterias

As Loterias Caixa arrecadaram R$ 3,3 bilhões no primeiro trimestre de 2018, 19% mais que no mesmo período do ano passado. Quase 40% são repassados para programas sociais

Na próxima terça-feira (24), a Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), que representa a Contraf-CUT, vai se reunir com a direção do banco, em Brasília (DF). Na pauta da mesa de negociação permanente, assuntos como a falta de pessoal - agravada pelo Programa de Desligamento do Empregado (PDE), verticalização, descomissionamentos arbitrários, piora no atendimento do Saúde Caixa e a defesa da Caixa 100% pública.

Sobre esse último tema, os representantes dos trabalhadores vão reforçar posicionamento contrário à venda de parte das Loterias. Segundo os dados mais recentes, elas arrecadaram R$ 3,3 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 19,2% a mais que no mesmo período de 2017 (R$ 2,7 bilhões). De acordo com o vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, Valter Nunes, essa foi “a melhor performance nos últimos cinco anos”.

Dionísio Reis, coordenador da CEE/Caixa e diretor da Fenae, frisa que não há motivos para abrir o capital das Loterias. “Somente em 2017, foram arrecadados R$ 13,9 bilhões, dos quais R$ 5,2 bilhões foram transferidos para programas sociais. Ou seja, quase 40% do total beneficiaram as áreas de seguridade, educação, esporte, cultura, segurança pública e saúde. Isso só é possível porque as Loterias e a própria Caixa são 100% públicas”, explica.

Entre os programas que recebem recursos das Loterias Caixa, destacam-se o Programa de Financiamento Estudantil (FIES), Fundo Nacional de Cultura (FNC), Fundo Penitenciário Nacional (FUNPEN) e Fundo Nacional de Saúde (FNS). Na área do esporte nacional, os repasses são feitos para o Ministério do Esporte, Comitê Olímpico Brasileiro, Comitê Paralímpico Brasileiro, clube de futebol e Confederação Brasileira de Clubes.

“O discurso de que a Caixa não tem capacidade técnica para gerenciar o patrimônio do povo, o mesmo que usam quando o assunto é o FGTS, não convence os brasileiros, muito menos os empregados do banco. Por isso, a categoria e as entidades representativas sempre lutarão em defesa da Caixa 100% pública. Não podemos permitir nenhum retrocesso na atuação e no tamanho do banco”, afirma o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.

systemuploadsnews68016469a931205ecc2-700x460xfit-ed3c5.jpg

Um ano de vigência da reforma trabalhista: nada a comemorar

Legislação trabalhista de Michel Temer só gerou emprego indecente, sem carteira, sem direitos. Presidente da Fenae alerta que continuam os ataques aos direitos

cards-Mulher-saudecaixa-14.png

Pesquisa mostra maior adoecimento entre as mulheres que trabalham na Caixa

Mais de 40% das bancárias tiveram algum problema de saúde relacionado ao trabalho nos últimos 12 meses. Subnotificação e horas extras é muito maior no público feminino

IMG_0404.jpg

Movimento Solidário: Fenae debate ações em Belágua com Governo do Maranhão

Nesta quinta-feira (8), o diretor Sociocultural da Federação, Moacir Carneiro, foi recebido pelo secretário de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves. Na ocasião, o representante do governo estadual reafirmou apoio ao Movimento Solidário

Trabalhadores conquistam primeira vitória contra CGPAR no Congresso Nacional

Após aprovação unânime na CTASP, projeto precisa passar pela CCJ, Plenário da Câmara e Senado. PDC 956/18 pede sustação de resolução que inviabiliza as autogestões de saúde

07/11/18 19:35

Enquete